domingo, 25 de fevereiro de 2018

[Mudando de Assunto] O Poderoso Chefão


Título Original: The Godfather  
Direção: Francis Ford Coppola
Duração: 2h 55min 
Lançamento: 24 de março de 1972
Elenco:  Marlon Brando, Al Pacino, James Caan
Gênero: PolicialDrama

Sinopse: A saga conta a história de uma família mafiosa que luta para estabelecer sua supremacia na América depois da Segunda Guerra. Uma tentativa de assassinato deixa Vito Corleone incapacitado e força os filhos Michael e Sonny a assumirem os negócios.

ANÁLISE

O Poderoso Chefão conta a história de uma poderosa família de mafiosos, que lutam a todo custo para manter o seu nome e supremacia diante outras famílias de mafiosos na América.

Vito Corleone, ou Don Corleone, chefe da família, apadrinha e realiza favores para algumas pessoas, para que em troca, no futuro, essas pessoas também possam realizar favores a ele.

Com a chegada das drogas na cidade, as famílias vêem um mercado promissor e pede o apoio de Corleone, com proteção das influências políticas e policiais que ele tem. Mas ele nega, o que gera uma revolta e a família Corleone começa a sofrer uma série de atentados. 


Eu tinha muito receio de assistir esse filme, porque não curto filmes de máfia, tiros e todas essas coisas, porém o pessoal do trabalho estava me enchendo pra assistir, por causa das questões estratégicas que a gente pode tirar como inspiração para o mundo dos negócios (pelo amooor dos bons livros, não vá se inspirar no lado ilegal da coisa).

Depois de eu muito enrolar, o Rafa me apresentou o Cineclube Livreando. Nos desafios há vários filmes e séries para assistir em cada mês e a gente trás nossa crítica sobre as histórias. Neste mês O Poderoso Chefão era um dos desafios e eu vi a oportunidade aí, então fui assistir o filme com esse olhar estratégico e amei!

A gente que lida com clientes o dia inteiro, principalmente no Marketing, precisa ter um pouco de "maldade" com a coisas, porque as pessoas são espertas e o tempo todo tentará te passar para trás.

Olhando para questão do gênero em si, da pra entender porque O Poderoso Chefão é um ícone do cinema mundial e ganhou vários prêmios. É muito inteligente e retrata conflitos muito instigantes. 

Não espere um produção incrível, pois o filme é de 1972, quando não havia os recursos que temos hoje. Por isso, tiros e socos bem mentirosos, que da pra perceber que é uma atuação, sangue e coisas do tipo também da pra perceber algo bem fictício, o que hoje, nos filmes atuais, já são bem realistas. Isso não tira de foma alguma a inteligência do filme, pois o foco é a história!

Filme muito recomendado, principalmente para quem está no meio empresarial. Vale a pena, até mesmo pra quem não curte o gênero como eu!

Beijos! 

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

[Mudando de Assunto] 6 Dias


Título Original: 6 Days 

Direção: Toa Fraser 

Duração: 01h35min 

Lançamento: 09 de Setembro de 2017 

Elenco: Jamie Bell, Abbie Cornish, Mark Strong e Emum Elliott 

Gênero: Ação/Suspense 

Origem: Nova Zelândia e Reino Unido 

Em abril de 1980, uma série de homens armados invadem a embaixada iraniana localizada em Princes Gate, na cidade de Londres. Eles fazem todos de refém e durante os seis dias seguintes, um impasse tenso acontece. Um grupo de soldados altamente treinados se prepara para uma invasão nunca vista antes no mundo. 

Análise 

Saudações cinematográficas, queridos Travellers, tudo bem com vocês? Espero que sim! Vamos mudar de assunto e falar de mais um filme original da nossa amada e queridinha, Netflix. Escolhemos o filme baseado em fatos reais, “6 Dias” é uma intensa e angustiante aventura. 

Na década de 80, seis homens fortemente armados invadem a embaixada iraniana localizada em Prince Gate, na cidade de Londres, com isso, todos do prédio tornam-se reféns por 6 dias. 


O filme mescla o drama das forças especiais em achar um plano para que tudo saia nos conformes, o principalmente de tudo! Os reféns sejam salvos com vida. Durante o longa, notamos uma mescla de docudrama com o “footage” real das forças militares envolvidas em todo o processo de negociação. 

Toa Fraser é o diretor de “6 Dias”, notamos uma fotografia e toda uma ambientação fiel da década de 80, no geral, o longa tem uma objetividade única, indo direto ao ponto e mostrando toda parte histórica que abalou o Mundo. 


O roteiro tem uma construção envolvente, uma ligação entre os personagens primários e secundários fazem toda diferença no longa, deixando mais realista e de tirar o fôlego. 

Destaque maior para atuação, os personagens mostraram um realismo impecável e constante, notamos os esforços da tropa de elite em fazer um treino/prepara constante para uma boa atuação no fatídico dia para resgatar os reféns. 


6 Dias é envolvente e intenso, mesclando de forma precisa, todos os fatos ocorrido no fatídico dia da invasão, não perdendo o foco e mostrando um realismo plano e fluído. 

Espero que vocês tenham gostado da nossa dica, não se esqueçam de comentar e o principal, assistir! Ah! Deixem um comentário e compartilhem. Até a próxima.


domingo, 11 de fevereiro de 2018

[Resenha] Ponte de Cristal


Autora: Thati Machado
Páginas: 312
Editora: Independente

Sinopse: A renomada escritora Mia Prescott não imagina que a sua decisão de acertar contas com o passado causará uma reviravolta em sua vida e colocará à prova todas as suas certezas. Seu país, o Lar, precisará da sua ajuda ou sofrerá pelas mãos da mesma pessoa que arruinou seu verdadeiro eu. Vivendo na Capital, Mia não percebe que uma revolução está se aproximando e que ela é a única capaz de detê-la. Bom, ela e o homem a quem ela jurou se vingar. Ou talvez não seja ele... Quer dizer, em quem confiar?


Mia Prescott é uma jovem autora, que teve um passado muito conturbado, e afim de encerrar esse capitulo de sua vida, ela não pensa em outra coisa, se não na vingança contra o homem que lhe fez viver os piores dias de sua vida.

Ela contrata um investigador para descobrir o que Theo, o homem em que ela jurou se vingar, anda fazendo. Ela começa a armar o seu plano, mas toda essa história irá sofrer uma grande reviravolta.

Mia verá que há muito mais a saber sobre o seu passado do que ela imagina e há muito mais motivos para lutar pelo futuro, pois o Lar está sendo comandado por ninguém mais, ninguém menos que Theo. 

As pessoas, principalmente das cidades do interior, estão sofrendo na ditadura imposta pelos governantes. Homens inocentes, jovens e saudáveis, estão sendo recrutados a força para o exército e os idosos sendo simplesmente descartados.

Mia terá que se unir as pessoas da resistência, para garantir a sobrevivência de tudo que ela ama. Isso significa que ela também terá que se unir ao seu passado.


Quer saber quando ter certeza que um livro é maravilhoso? Leia-o mais de uma vez! Se você se sentir ansioso pelo que vai acontecer, mesmo sabendo o que vem nas próximas páginas, pode ter certeza... o livro é inesquecível! Foi isso que aconteceu em Ponte de Cristal.

É a segunda vez que eu leio o livro e parecia que era a primeira, porque mesmo sabendo o que ia acontecer, eu ficava nervosa, louca pelos melhores fatos.

Mia é uma personagem forte e com um passado bem traumático, o que faz com que nós, leitores, fiquemos apegados. Ela sofreu abuso de uma pessoa que ela confiou e amou, um monstro que arrancou a sua alma, quebrando cada pedacinho dela. E mesmo se sentindo vazia por dentro, ela encontrou forças para lutar pelas pessoas que ela ama, por isso ela faz qualquer coisa, até mesmo correr risco de morte, para defender o que ela acredita.

É mais um livro em que a Thati Machado trás personagens inspiradores, que faz a gente sofrer e amar junto com eles. Não tem como não amar a Mia, odiar o Theo, se encantar por Gael (que vocês vão conhecer e se apaixonar também), querer bater em Stivie e abraçar bem forte a Rose e a pequena Anne.


Quanto as cenas e tudo mais, são muito bem descritas e fiquei muito instigada a continuar lendo, porque tudo desperta curiosidade. Todos os fatos são muito bem amarrados, sem ficar brechas. Eu não tenho realmente nada para criticar negativamente. Eu amei Ponte de Cristal, Mia é inspiradora e com certeza eu dou nota máxima para o livro!

Para quem gosta de romance, distopia, mistérios e ação, terá uma grande livros em mãos e uma oportunidade incrível de poder ver o quantos nossos autores são maravilhosos e capazes de escrever histórias tão grandiosas! Muito mais que recomendado, leiam agora!

Não vai embora sem deixar seu comentário, vai ser tão legal podermos conversar mais sobre Ponte de Cristal, não acha?

Beijos! 

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

[Mudando de Assunto] O homem que mudou o jogo


Título Original: Moneyball

Direção: Bennett Miller

Duração: 02h13min.

Lançamento: 12 de Fevereiro de 2012

Elenco: Brad Pitt, Jonah Hill, Philip Seymour Hoffman e Robin Wright

Gênero: Drama/Biografia

Origem: Estados Unidos

Sinopse: Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente do time de baseball Oakland Athletics. Com pouco dinheiro em caixa e a ajuda de Peter Brand (Jonah Hill), ele desenvolveu um sofisticado programa de estatísticas para o clube, que fez com que ficasse entre as principais equipes do esporte nos anos 80.

Saudações, Travellers! Tudo bem com vocês? Espero que sim! Hoje vamos falar de mais um filme que voltou no catálogo da nossa amada e querida, Netflix. Estamos falando do longa que é baseado em fatos reais: “O homem que mudou o jogo”. 

O longa é baseado no livro “The art of winning na unfair game”, escrito por Michael Lewis, do qual conhecemos toda vida e trajetória de sucessos e fracassos de Billy Beane. 


Para os amantes do esporte, esse é o filme ideal, já para aquele que não são tão chegados, vejam mesmo assim! Um filme real, intenso e motivacional, que vai inspirar muitas pessoas que assistirem. Meio clichê, não é?

Brad Pitt interpreta o gerente geral do time de baseball Oakland Athletics, o filme foca nas tentativas de Beane em criar um time competitivo para temporada de 2002. Porém! O time possui um grave problema financeiro, impossibilitando à contratação de grandes e competitivos jogadores que possam fazer uma diferença significativa. 


No meio da jornada, Beane conhece Pter Brand, um jovem recém-formado em economia pela Universidade de Yale, utilizando formulas matemáticas, Brand possui ideias inovadores e um tanto radicais para fazer uma avaliação em todos os jogadores da equipe. 

O longa possui uma boa fotografia, toda aquela essência esportiva é transmitida do começo ao fim, uma batalha para conquistar o tão sonhado título do campeonato e fazer toda uma diferença. Ponto forte do filme é o roteiro e toda produção, deixando uma trama sólida e consistente, do começo ao fim. 

Brad Pitt dispensa comentários, uma atuação impecável, pura e simples. O ator atuou de corpo e alma, mostrando uma pessoa que têm objetivos e metas de um vencedor. 


Podemos notar muitos altos e baixos durante boa parte o filme, uma busca incessante para vitória, provando ser um excelente e habilidoso gerente geral de um time que para muitos, era desacreditado. 

Esse é um filme indicado para um final de semana tranquilo e bem relaxante. Espero que vocês tenham gostado da nossa indicação, não se esqueçam de comentar e compartilhar. 

Um beijo, queijo e um bacon! Até à próxima pessoal.